Número de Pequenos Empresários vai saltar e pode amortecer queda do PIB

Diante da economia fraca, o comércio e os serviços manterão neste ano o protagonismo para evitar desempenho pior da atividade econômica.

Com estimativa de consumo na casa dos R$ 4,7 trilhões, 2,7% a mais que em 2018, o incremento será puxado pelo avanço de 12,9% no número de empresas instaladas no País.

Os dados fazem parte de da projeção do IPC Maps e mostram que ao final do ano cerca de 23,4 milhões de empresas estarão instaladas no País, deste montante, quase metade (49,2%) são oriundas dos serviços, ao passo que o comércio, com 31,9% do total, deverá contar com 7,4 milhões de empresas em atividade.

Completam a lista ainda as indústrias (16,1% ou 3,7 milhões); e o agronegócio (2,8%, ou 657 mil CNPJs).

“Em um período delicado para a economia, a abertura de empresas, ainda que micro ou pequenas, torna-se um caminho para desviar do desemprego”, resume o professor de negócios e empreendedorismo e chefe da consultoria 2GoMax, Arnaldo Colizzione.

De acordo com ele, dentro do plano de empreender, os serviços surgem como alternativa mais viável. “O investimento inicial é muito mais baixo que outras áreas, não há necessidade de tanto capital de giro, estoque ou infraestrutura”, detalha.

Esse incremento, na visão do acadêmico, tende a ser maior depois de anunciadas as medidas de desburocratização para abertura de empresas pelo governo federal. “Isso, no entanto, é uma faca de dois gumes, já que facilidade para empreender não significa que o negócio terá uma vida longa. Precisamos capacitar mais o brasileiro para que ele tenha uma jornada próspera”, diz ele.

Dentro do cenário do empreendedorismo, a Região Sudeste, em especial São Paulo, é protagonista. Segundo o indicador do IPC Maps 48,89% do consumo estimado para este ano virá dos estados do Sudeste ao passo que 50,86% das empresas também estão (veja mais informações no gráfico).

Como age o cliente

Para tentar sobreviver em um mundo com maior concorrência, os empresários nascentes precisam, antes de mais nada, entender o comportamento do consumidor. Segundo o IPC, divulgado esta semana, algumas mudanças já estão em curso, entre elas a migração de parte do consumo das grandes capitais ao interior.

Neste ano o gasto nas capitais perderá espaço no consumo (de 29,6% em 2018 para 28,9% em 2019). Na contrapartida, o interior dos estados voltará a dar sinais de recuperação, com a participação saindo de 54% para 54,4% na mesma base de comparação.

Outro apontamento diz respeito às regiões. A região Sul deve abrigar 4,18 milhões de empresas, superando o Nordeste (4,17 milhões).

Na análise nacional, a expectativa é que o fluxo financeiro que envolve os serviços e o comércio deve equivaler a 64,8% de toda atividade do País, em um movimento que outrora sustentou o incremento do PIB em um ciclo que começou em 2006 e seguiu até 2013. “Se apoiar no consumo não é ruim, mas não pode ser só isso. É preciso estimular o consumo com liberação de crédito”, alerta Colizzione.

Fonte: Diário do Comércio – 23.05.2019

Fluxo de Caixa, Contas a Pagar, Contas a Receber, Estoques. Com linguagem acessível, a obra apresenta com clareza a prática financeira empresarial. As explicações vem acompanhadas por exemplos de fácil entendimento. Clique aqui para mais informações. Gestão de Finanças Empresariais 

Mais informações

Controle bem seu Negócio!

ComprarClique para baixar uma amostra!

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s